O que é o Guia Pesca de Praia Fórum Desafios GPP Loja Virtual Comunidade no Orkut Rádio GPP Entre em contato Home Fórum
O chicote é um dos equipamentos terminais mais importantes na pesca de praia. Responsável pela sustentação e distribuição de anzóis e iscas, tem influência direta sobre os resultados. Antigamente, ele se resumia a uma simples extensão da própria linha do molinete, obtida com um nó, e era conhecido como “chicote caipira”. Hoje, os chicotes são comprados prontos, com rotores em arames de aço inox de diversos tamanhos. Com o passar do tempo, muitos pescadores começaram a confeccionar seus próprios rotores e grampos, direcionando-os para fins específicos. Por exemplo: rotores para pesca mais leve e realizada na beira, como a do farnangaio, são bem pequenos e fabricados com arames mais finos.





Rotores (“molinhas”)
A fabricação de rotores artesanais não tem muito segredo, requerendo apenas prática para que adquiram um bom padrão de qualidade. Podem ser feitos no gabarito com um “virador” de arames (processo semelhante ao dos grampos), ou de forma mais simples, com o auxílio de um alicate.

Confecção: prenda um fio-guia, que será o gabarito, para dar forma aos orifícios (chamamos de “pino”), com espessura de 0,8 ou 1 milímetro. Faça inicialmente a parte do meio, com quatro ou cinco voltas em torno do pino, para formar o orifício central (modelo “asa delta”). No mais, dê a forma que quiser até finalizar com a parte de trás, dando quatro ou cinco voltas de cada lado, como se fosse uma molinha, ou dando uma volta no pino para formar a argola. Volte no sentido do meio com mais duas ou três voltas.

Modelos mais usados: rabo de porco, asa delta e engate rápido, das mais variadas formas. Os modelos de engate rápido dão a opção de deixar pernadas prontas e iscadas, substituindo-se a pernada em poucos segundos. É um sistema muito usado em competições.








Grampos (snaps)
A fabricação do grampo é semelhante à do rotor. O amigo Carlos Maia, perito na fabricação desses materiais há mais de 25 anos, mostra o passo a passo de fabricação do grampo, utilizando um gabarito de aço bipartido com pinos-guia de fuso de 1 e 3 milímetros para dar o aperto e a forma aos mais variados modelos de grampos e rotores.


Materiais
- Alicate de corte
- Alicate bico-de-pato retrabalhado com ponta de 0,5 mm para facilitar a dobra
- Arame de aço inox ASI 302 duro e polido (efeito mola), encontrado nas casas de pesca (custo: R$ 5 o rolinho de 10 metros)
- Arame 0,60 e 0,70 mm para os grampos
- Arame 0,40 e 0,45 mm para os rotores (a medida pode variar de acordo com a necessidade de cada pescador)








Funcionamento do conjunto
O rotor tem, por finalidade, dar liberdade vertical à pernada (eixo “Y”), enquanto a pernada dentro do orifício se desloca horizontalmente (no eixo “X”). O grampo prende a chumbada numa determinada posição dentro da água. Por isso, também utilizamos um girador junto ao grampo, para que o conjunto gire em torno de seu eixo. Tudo isso para movimentar todo o conjunto livremente, dando movimento à isca e, principalmente, evitando a torção da linha central.





Rotores de miçangas
Outra alternativa que vem sendo bastante empregada e vem agradando os pescadores de praia são os rotores de miçangas, as mesmas vendidas em lojas de armarinhos. Para produzi-las não há muito segredo, basta prender a miçanga maciça num gabarito ou até mesmo com um alicate e com auxílio de uma furadeira, usando broca de 1 mm e fazendo os furos na horizontal e vertical. Recomenda-se fazer um furo-guia com uma agulha aquecida para que a broca não deslize, o que pode causar algum acidente ou estragar os materiais.


Autor: Marcelo Rubio Esteves
Matéria: Coluna da Revista Pesca Esportiva, Edição Nº 151/Março de 2010.


HOME | TOPO